No Brasil, grandes de software não exportam

Uma pesquisa da Assespro, MBI e Instituto de Tecnologia de Software de São Paulo (ITS) divulgada nesta quinta-feira, 05, pelo ComputerWorld aponta que 92% das 50 maiores empresas brasileiras de software não exportam. Ou seja: das 50, 46 têm 90% de sua receita vinculada ao mercado brasileiro.

Apesar de os números indicarem pequena participação das empresas brasileiras de software no mercado externo, a pesquisa aponta uma evolução, de acordo com o presidente da Assespro-SP, Roberto Carlos Mayer. Ele afirma que há companhias que já atuam em países como Argentina, México, Portugal e Espanha.

Porém, Mayer afirma que as desenvolvedoras nacionais ainda carecem de uma estratégia específica para ataque de mercados exigentes como Alemanha, França e Estados Unidos. De acordo com a pesquisa, as companhias avaliadas empregam 17,5 mil pessoas, sendo que 72% possuem até 250 funcionários. Somado, o faturamento das empresas não chega a US$ 1 bilhão, conforme o presidente da Assespro-SP. "Valor muito pequeno para a média do que ocorre no mundo", ressalta o gestor em entrevista ao ComputerWorld.

Conteúdo republicado a partir de http://www.baguete.com.br/noticiasDetalhes.php?id=18083