Apenas 2% das empresas de software exportam

Das 3.265 empresas brasileiras de software, apenas 2,1% delas exportaram produtos e serviços em 2004, segundo pesquisa da MBI.

O Brasil possui atualmente 3.265 empresas de software, mas apenas 2,1% delas - ou 71 companhias - exportaram seus produtos ou serviços no ano passado, revelou o estudo da consultoria de tecnologia de informação MBI.

O volume exportado no período atingiu 235 milhões de dólares, de acordo com o levantamento que teve apoio da Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação, Software e Internet de São Paulo (Assespro) e do Instituto de Tecnologia de Software de São Paulo (ITS).

Na divisão por segmentos, software respondeu por 110 milhões de dólares (46,8%), enquanto serviços e alocação de mão-de-obra atingiu os 125 milhões de dólares restantes.

Os 20 maiores exportadores representaram 98% das vendas externas, ou 232 milhões de dólares.

Intenção de exportação

Um levantamento complementar realizado com 300 empresas mostrou que o faturamento das companhias está relacionado com a capacidade de exportação. Na prática, as maiores empresas exportam mais.

Apenas 3,8% das empresas pesquisadas - entre exportadoras e não-exportadoras - têm faturamento acima de 8 milhões, enquanto 10% das que exportam vendem mais do que este valor.

Apesar de apenas 71 empresas terem efetivamente exportado seus produtos no ano passado, cerca de 300 tiveram interesse nas vendas externas e chegaram a procurar algum tipo de suporte ou agência. No entanto, o processo não chegou a ser consolidado.

A intenção de exportar, no entanto, permanece. Nos próximos dois anos, 77,3% das empresas pesquisadas pretendem ter alguma exportação. A meta para cinco anos é de 80,3%.

Crescimento no volume

A estimativa de exportação para 2005, com base nas 71 exportadoras, é de 280 milhões de dólares, crescimento de 21,8% frente ao ano passado.

Até 2007 o volume exportado deverá aumentar 60,9% na comparação com 2004, atingindo 370 milhões de dólares. Em 2009, essa cifra deverá chegar a 470 milhões de dólares.

A pesquisa da MBI, Assesspro e ITS foi realizada durante o mês de março e levou em consideração os dados do ano passado.

Conteúdo republicado a partir de http://idgnow.uol.com.br/mercado/2005/06/09/idgnoticia.2006-03-12.0290968119/

 Conteúdo republicado também  em  http://www.agencia.baguete.com.br/noticiasDetalhes.php?id=3166