PROMESSA DE TV ABERTA EM CELULAR É ALGO ABSURDO, DIZ SIEMENS

Dizer que a TV aberta será transmitida por meio de qualquer celular no Brasil é algo completamente irreal, é um absurdo. A afirmação é do chefe da área de tecnologia da Siemens, Mario Baumgarten.

Porta-voz da Coalizão DVB, que defende a adoção do padrão europeu de TV digital no Brasil, o executivo ataca aquilo que, segundo ele, vem sendo usado como argumento das empresas japonesas para que o governo se decida pelo sistema do Japão (ISDB).

De acordo com Baumgarten, não há leis, tecnologia e tampouco mercado que façam da TV aberta via celular uma realidade para o País.

Sobre a regulamentação, o executivo afirma que ainda não há qualquer entendimento entre emissoras de TV, operadoras de telecomunicações e TVs por assinatura. “Na área técnica, é preciso observar que não existe um sistema de transmissão que contemple padrões como o GSM. Isso não existe, na prática. Eles (as empresas japonesas) dizem que é só colocar um chip no celular GSM. Isso é um absurdo, tudo tem que ser especificado tecnicamente”, disse.

Mas e se, em breve, regulamentações e tecnologias estiverem prontas para oferecer o sinal de TV aberta em cada celular? “Mesmo que isso tudo fosse real, é preciso assumir que o tráfego de dados não existe no Brasil. O usuário gasta cerca de R$ 10 por mês em um celular. Talvez no país de maior consumo de tráfego de dados do mundo isso talvez seja interessante, mas não aqui. Isso é um equivoco”, comentou.

Segundo Baumgarten, o preço que as operadoras teriam que pagar aos fabricantes de aparelhos para subsidiar a chegada dos celulares às mãos dos usuários seria muito alto. “Essa TV não existe sem subsídio. Mas como uma operadora terá retorno que justifique isso? Essa possibilidade não existe nem no curto nem no longo prazo”, declarou.

No último no sábado (01/04), um serviço de TV digital voltado a celulares e outros dispositivos móveis estreou no Japão. Chamado "one-seg", o serviço oferece transmissão simultânea de diversos canais de TV terrestre e está disponível sem custos. As transmissões tiveram início em diversos pontos do país e, em Tóquio, os usuários devem ter acesso a pelo menos sete canais por meio do serviço. 

Republicado a partir de
http://computerworld.uol.com.br/telecom/2006/04/06/idgnoticia.2006-04-06.7932756896/

Celular com TV, disponível em 2010