Políticas Públicas em vigor no Brasil desde 2003 viraram 'tiro pela culatra'?


Toque com o dedo na imagem e arraste-a para ampliá-la (em telas touch),
ou deslize o mouse sobre a imagem para visualizá-la ampliada

Os dados do Censo 2013 do Setor de Tecnologia da Informação, desenvolvido no Brasil pela Assespro Nacional, em cooperação com a ALETI (Federação das Entidades de TI da América Latina, Caribe, Portugal e Espanha) trouxe alguns resultados inesperados.

Selecionamos aqui o comportamento das empresas do setor de TI em relação ao software de código aberto. Dado que o Governo Federal desenvolve ações específicas de fomento a este tipo de software desde 2003, esperávamos que o Brasil fosse destaque neste quesito.

A partir da pergunta sobre os sistemas operacionais usados como plataforma tecnológica para os produtos e serviços que comercializam, concluímos que no Brasil 41% das empresas fizeram opção por alguma distribuição do Linux. Apenas a família de sistemas operacionais da Microsoft, usada por 78% das empresas, possui participação maior. Os sistemas da Apple estão em 10% das empresas, enquanto os demais sistemas operacionais para dispositivos móveis alcançam 28% de participação.

Entretanto, quando comparamos o uso do Linux com os demais países cobertos pelo estudo, chama a atenção que o Brasil apresenta índices inferiores aos de outras regiões. Por exemplo, nos países do Cone Sul (Argentina, Chile, Bolívia, Paraguai e Uruguai), o Linux é parte da plataforma tecnológica de 58% das empresas. Já no México e na América Central, esse índice é de 49%. Apenas na Península Ibérica (Portugal e Espanha) o índice de utilização do Linux é semelhante ao do Brasil.

Cabe, portanto, questionarmos por que as políticas públicas de fomento ao software livre, implementadas há mais de dez anos, não surtiram o efeito desejado. Se a utilização é maior em países que não investiram dinheiro público nessa direção, é imediato concluirmos que algo houve de errado com a realização dos investimentos gerados em função dessa política.

Uma análise dos projetos de fomento ao software livre revela que a maioria dos investimentos desse tipo foi direcionada ao uso de software livre dentro da própria máquina do Estado, no meio acadêmico e na comunidade de voluntários que coopera nesse tipo de projetos.

Ainda assim, o índice de utilização nas empresas privadas de TI deveria ser semelhante ao obtido em outros países. O fato de ser inferior pode ser interpretado como um “tiro no pé” da implementação da política: a forma como ela foi conduzida acabou levando empresas privadas no Brasil a usar menos o software livre do que as empresas de outros países.

Este fenômeno não é limitado apenas ao Linux. Quando avaliamos o uso de tecnologia aberta em geral, verificamos que no Brasil 38% das empresas usam essa tecnologia em seus processos internos com frequencia ou de forma contínua. Já nos países do Cone Sul e na Península Ibérica esse índice é de 55%.

Finalmente, a diferença obtida na disponibilização da tecnologia desenvolvida pelas empresas seguindo o modelo de código aberto é ainda maior: enquanto no Brasil essa prática é comum em apenas 9% das empresas, no Cone Sul este índice alcança a 22%, e na Península Ibérica é prática de 28% delas.

Concluímos, portanto, que as políticas públicas brasileiras destinadas ao fomento desse tipo de modelo de disseminação da tecnologia precisa ser reavaliado. Se de fato o modelo de código aberto é benéfico para as sociedades, descobrimos que estamos ficando atrás de outros países na geração desses benefícios. Logo, é hora de olhar para o sinal amarelo gerado pela indústria nacional, e repensar os objetivos dessas políticas.


Publicado originalmente em
http://informationweek.itweb.com.br/blogs/setor-de-ti-x-tecnologias-abertas-sinal-amarelo/