Independentemente da orientação política dos analistas que sejam consultados, todos são unánimes em afirmar que o crescimento econômico do Brasil e a diminuição nas desigualdades sociais registrados nas últimas duas décadas, representam um avanço muito importante.

Este fenómeno fez parte da análise de cenários realizada durante o Planejamento Estratégico da Assespro, desenvolvido com a presença de participantes de todas as regiões do país (exceto o Norte), durante o final de semana do feriado de 15 de novembro, em Brasília.

Nos próximos cinco anos não só teremos duas trocas de governo federal, dois grandes eventos esportivos de alcance global (a Copa 2014 e as Olimpíadas 2016), mas também a a construção de diversas obras de infra-estrutura que vão complementar as necessidades destes mega-eventos e as demandas naturais geradas pelo crescimento do país.

O trem-bala que ligará as duas maiores cidades do país é uma obra não somente necessária, mas um símbolo do poderio econômico do país: seu custo estimado (inicialmente) já é estimado em algo próximo a vinte bilhões de dólares.

Ao mesmo tempo, o crescimento da economia fará com que no máximo em 2012, o produto interno per capita ultrapasse a barreira dos dez mil dólares anuais. E antes de 2016, será quebrada a barreira dos mil dólares mensais... Do total do PIB, mais de dois terços virão do setor de serviços.

O que estes números significam? Até 2016 o Brasil passará ao status de nação desenvolvida. Sim, seremos parte do Primeiro Mundo!

Entre as muitas consequencias, o país deverá assumir, a nível internacional, uma postura de protagonismo e liderança, com responsabilidade.

Não basta conceder empréstimos ao FMI (fato impensável há 30 anos!) e perdoar a dívida de países pobres. Espera-se que nossa liderança viabilize o mesmo grau de desenvolvimento para outros povos, iniciando pela América Latina.

A participação das Entidades de empresas de TI como a Assespro, onde as empresas e seus dirigentes atuam de forma voluntária em prol do bem da Sociedade, é um exemplo para os demais setores de atividade econômica.

Nossa interação com as entidades congêneres de outros países, por meio da participação na ALETI Federação Iberoamericana de Entidades de TI, e da WITSA World Information Technology and Services Alliance (que também não possuem paralelo em outros setores da economia), serão os canais prioritários para realizar esta visão.