Sumiu! Pelo menos no título daquele filme-paródia do cinema-desastre. No nosso país, o problema é 'quase' o mesmo: o piloto ainda não assumiu! E lá se vão quase três anos de governo...

Descrevi, na coluna do mês passado, a importância que a convergência de mídias e tecnologia pode ter para o futuro, não apenas de nós profissionais de tecnologia, mas da sociedade como um todo (já que estamos falando de dispositivos já vendidos em quantidades quase semelhantes aos da população no Brasil).

Enquanto isso, surgem manifestações de descontentamento com os executores da política governamental vindas de fora do 'lobby' tradicional (as empresas do setor de tecnologia e comunicações): chamou-me a atenção uma petição publicada há algumas semanas no site http://www.petitiononline.com, assinada por milhares de indivíduos e endereçada diretamente ao presidente da República, que solicita a saída do ministro Hélio Costa da pasta das Comunicações.

Alguns dos argumentos apresentados na petição são: a desistência do padrão nacional de TV digital para atender ao lobby das Organizações Globo e das empresas estrangeiras de tecnologia; o congelamento da implantação de software livre nos projetos de Inclusão Digital, a falta de transparência no processo de implantação da Rádio Digital e o unbundling das redes de telefonia fixa para o provimento de acesso à internet em banda larga, e, finalmente, a demissão de Antônio Albuquerque, responsável pelo Departamento de Serviços de Inclusão Digital do Ministério das Comunicações.

O documento lamenta a nomeação de um "dono de emissora de rádio, favorável às Organizações Globo, para a pasta das comunicações" e conclui afirmando que as posições do ministro "parecem convergir para a desistência de qualquer soberania tecnológica em setores altamente estratégicos, favorecendo grupos bilionários e estrangeiros".

Pessoalmente não compartilho da maioria dos argumentos apresentados na petição. Mas, a existência deste tipo de manifestação 'popular' evidencia a capacidade do piloto em desagradar, ao mesmo tempo, a gregos E troianos.

Não fosse o esforço da iniciativa privada para manter-se 'blindada', o nosso avião já teria sofrido um desastre muito maior que o do filme.