Nesta edição dedicarei este espaço a resgatar, a partir de minha humilde memória de veterano observador do mercado de software, a história do StarOffice. Atualmente, trata-se de uma suite de aplicativos da Sun Microsystems, disponibilizados a baixo custo. Este produto, posicionado como concorrente do Microsoft Office, oferece como vantagem adicional o fato de estar disponível para diversas plataformas (como Windows e Linux, por exemplo).

Peço desculpas antecipadas por algum lapso de memória. Também gostaria de adiantar que não pretendo entrar no mérito da comparação do produto com seu(s) concorrente(s). O objetivo é, apenas, contar a história do produto, em função da minha experiência profissional específica.

Antes mesmo de iniciar minha atividade empresarial, e antes do Windows 3.x se tornar a primeira interface gráfica usada em larga escala, estive envolvido, em função de minhas atividades acadêmicas na época, no estudo de ferramentas para o desenvolvimento de software baseado em interfaces gráficas. Faziam parte desta categoria produtos como o X Windows, para estações Unix, e a interface do Macintosh (indissociável do hardware).

Diante da diversidade de interfaces existentes, era útil existir um tipo de ferramenta que permitisse o desenvolvimento de software com interface gráfica, mas que não tornasse o desenvolvimento dependente de um ambiente específico. Várias ferramentas deste tipo foram criadas ao redor do mundo, inclusive no Brasil (pela nossa empresa). Entretanto, nenhuma destas ferramentras chegou até os dias atuais, já que o surgimento dos ambientes integrados de desenvolvimento acabou canibalizando o mercado de ferramentas.

Uma dessas iniciativas de criar ferramentras multi-interface se deu na Alemanha: tal vez inspirada na estrela-símbolo da Mercedes-Benz, talvez no estrelato de Hollywood, o nome da empresa era Star Software.

Uma dificuldade intrínseca à venda deste tipo de produtos, era a demostração de sua capacidade: ou esta se limitava a descrições teóricas, ou era necessário ter um aplicativo completo de exemplo (muitas vezes usado também como ambiente de teste no desenvolvimento destas ferramentas). O exemplo mais comum, adotado também pela Star Software, constituiu-se em criar um editor de texto. Sua distribuição gratuita visava incentivar o uso da ferramenta.

No caso da Star Software, este editor foi batizado de StarWord (numa alusão ao WordStar, pioneiro dos editores de texto com formatação em microcomputadores) e disponibilizado gratuitamente para (não! a Internet não estava disponível para desenvolvedores comerciais naquela época) quem o solicitasse. A entrega se dava através do envio de diskettes pelo correio.

Com o lançamento do Windows 3.x e do OS/2, a Star Software expandiu sua linha de ferramentas, e aumentou sua necessidade de testá-las. Sua decisão: criar mais aplicativos de teste. Nasceram então o StarCalc (uma planilha de cálculo) e os demais softwares da família.

O nome StarOffice foi criado pela Sun Microsystems há alguns poucos anos, quando decidiu obter permissão para distribuir estes aplicativos em larga escala. A Sun assumiu o ônus do eventual suporte, que passou a ser cobrado mais recentemente.

E foi assim que, graças a um esforço que originalmente visava fins completamente diferentes, que apareceu no mercado um produto gratuito para intentar abalar o virtual monopólio da Microsoft.

Mas isto já é assunto para uma outra coluna... não percam!